A meta é arrojada: fazer com que o Parque Tecnológico da Saúde do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), no Paraná, chegue a 2024 com uma produção de insumos biológicos que auxilie na produção de até 40 milhões de doses anuais de vacinas.

O investimento financeiro de R$ 200 milhões anunciado na semana passada, feito exclusivamente pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), é direcionado à estrutura que existe desde 2011. A contrapartida do Governo do Paraná será feita pelo Tecpar, que gerencia o parque e entra também com o complexo laboratorial do instituto e seu corpo técnico.

A “Produção de Conteúdo para Redes Sociais” foi o tema que encerrou na noite de quinta-feira, 30, a série de oito oficinas preparatórias da Mostra de Tecnologias Sociais Educativas promovida pela Fiocruz Paraná nos meses de maio e junho. Com o objetivo de instrumentalizar professores e alunos dos ensinos fundamental e médio para o desenvolvimento

Com a parceria, será implantada uma fábrica para produção de insumos para vacinas e de produtos biotecnológicos de nova geração. Parte dos investimentos será realizada já no segundo semestre de 2022.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior recebeu, nesta terça-feira (28), representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para o anúncio de um investimento de mais de R$ 200 milhões na consolidação do Parque Tecnológico da Saúde, onde estão instalados o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), o Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná) e o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

A oficina preparatória online sobre Produção Escrita, da Mostra de Tecnologias Sociais Educativas da Fiocruz Paraná, abordou na segunda-feira, 27, os diversos formatos e possibilidades de uso de textos criativos no desenvolvimento de produtos educativos voltados para a valorização da saúde e da cidadania.

Com o tema “Produção em Artes Cênicas”, aconteceu nesta segunda-feira, 20, a sexta oficina preparatória da Mostra de Tecnologias Sociais Educativas, da Fiocruz Paraná. O workshop online tratou das diversas manifestações artísticas em que os espaços são ocupados pelo corpo humano. A proposta da oficina é instrumentalizar alunos e professores dos ensinos fundamental e médio para desenvolverem produtos educativos nas áreas das artes cênicas.

Ensinar e divertir ao mesmo tempo. Esse é o objetivo dos jogos e games educativos. Eles estimulam o raciocínio, o pensamento lógico, a colaboração/competição, as habilidades motoras e sociais e complementam o ensino em sala de aula. Foi sobre a Produção de Jogos e Games que a quinta oficina preparatória da Mostra de Tecnologias Sociais Educativas, da Fiocruz Paraná, tratou na segunda-feira, 13.

Duas alunas do doutorado vinculadas ao Instituto Carlos Chagas (ICC-Fiocruz Paraná) foram agraciadas no concurso para participação gratuita no 33º Congresso de Parasitologia Molecular, em setembro, em Woods Hole, Massachusetts, EUA. Vanessa Rossini Severo faz parte do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia, do ICC, e Izadora Volpato Rossi é da UFPR, orientada no ICC. De 66 trabalhos inscritos de 23 países, apenas nove estudantes do mundo terão todos os custos de viagem, hospedagem e participação bancados pela organização do evento.

A fotografia nunca esteve tão presente na vida das pessoas. Produzir boas imagens é hoje muito importante seja como expressão artística, profissional, pessoal ou até mesmo educativa. Por isso, o Instituto Carlos Chagas (ICC-Fiocruz Paraná) realizou nesta segunda-feira, 06, a quarta oficina preparatória da Mostra de Tecnologias Sociais Educativas que tratou do tema Produção Fotográfica.

Causada por fungos das fezes de pombos, a criptococose é uma das muitas doenças negligenciadas no Brasil com alta taxa de mortalidade. Mas uma pesquisa com o reposicionamento de fármacos, unindo antifúngicos com derivados de benzimidazóis, pode resultar num tratamento eficaz, seguro e acessível à população, garantindo a preservação de vidas. Foi com essa proposta que a curitibana Bárbara Tavares Bezerra, de 21 anos, sob orientação do Dr. Marcio Lourenço Rodrigues, levou o primeiro lugar na Reunião Anual de Iniciação Científica, a Raic 2022, do ICC-Fiocruz Paraná, realizada nos últimos dias 26 e 27 de maio.

Os desafios de um cientista brasileiro para publicar um artigo em inglês numa prestigiosa revista estrangeira são muitos. Regras e técnicas devem ser seguidas; padrões editoriais, obedecidos; e todas as partes do texto, concatenadas. Para ampliar a chance de os alunos de mestrado e doutorado conseguirem publicar artigos lá fora, as Coordenações da Pós-graduação em Biociências e Biotecnologia (PPGBB) e a de Comunicação, Extensão e Divulgação Cientifica (Cocedic), do ICC, promoveram o Curso de Escrita Científica para Publicação em Inglês, ministrado de 16 a 27 de maio, pelo doutor em linguística aplicada Ron Martinez, coordenador estadual da nova rede Academic Writing And Research Development (Award).

TOP